Anúncio

Cartilhas

Bons e velhos momentos...

































Método Castilho para o ensino rapido e aprasivel do ler impresso, manuscrito e numeração, e do escrever.

Antonio Feliciano de Castilho
Ilustração de Bordallo. 

(Obra tão própria para as escolas como para uso das famílias, inteiramente refundida e augmentada de várias lithographias) Antonio Feliciano de Castilho. 2.e. Lisboa: Imprensa Nacional, 1853. [A 1a. edição é, provavelmente, de 1850. Em 1855, Antonio de Castilho veio ao Brasil divulgar seu "Método" de alfabetização.]



Cartilha Maternal
João de Deus. (Ilustrações de José Rui) Lisboa: Convergência, 1977.
[A 1a. edição é de 1876 e o Centro de Memória da Unicamp possui um exemplar da 5a. edição, publicado em 1881 pela Imprensa Nacional (Lisboa). Maria do Rosário Longo Mortatti (2000) assinala que o método de alfabetização de João de Deus foi introduzido na Escola Normal de São Paulo em 1883, pelo então professor Antonio da Silva Jardim, e registra que em 1897 o governo paulista importou vários exemplares da Cartilha Maternal de João de Deus para distribuir nas escolas do estado.]

Cartilha da Infância. Tomaz Galhardo
109.e. modificada e ampliada pelo professor Romão Puiggari. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1924. [Provavelmente, a 1a. edição é de 1890, pois a 2a. edição é de 1891, publicada em São Paulo por Teixeira & Irmão Editores. Natural de Ubatuba, Tomaz Galhardo formou-se na Escola Normal de São Paulo.]


Cartilha. Leituras Infantis. Francisco Viana
48.e. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1945. [1a. edição 1895. A cartilha e os livros de leitura de Francisco Viana, formado na Escola Normal de São Paulo, foram muito populares nas escolas.]

Cartilha das Mães.
Arnaldo Barreto 49 e. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1938. [A Cartilha das Mães só começou a ser editada pela Livraria Francisco Alves a partir da 12ª edição, em 1911. É provável que as primeiras edições tenham saído pela Tipografia Siqueira, de São Paulo, fornecedora dos livros de escrituração da Escola Normal de São Paulo e editora que publicou em 1896 as Leituras Moraes de Arnaldo Barreto, antes portanto da Livraria Francisco Alves. Sendo assim, é possível que a Cartilha das Mães tenha sido publicada também por volta de 1896.]


ABC da Infância
Primeira coleção de cartas para aprender a ler. 107 e. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1956. [De autoria anônima, a 1a. edição dessas "cartas de ABC" é de 1905. Há, entretanto, indícios de que essa publicação é a introdução do Livro da Infância de Augusto Emílio Zaluar, escritor português radicado no Rio de Janeiro. As "cartas de ABC" representam o método mais tradicional e antigo de alfabetização, conhecido como "método sintético": apresenta primeiro as letras do alfabeto (maiúsculas e minúsculas; de imprensa e manuscritas), depois apresenta segmentos de um, dois e três carcteres, em ordem alfabética (a-é-i-ó-u, ba-bé-bi-bó-bu, ai-ei-oi-ui, bai-bei-boi-bui, etc); e, por fim, palavras cujas sílabas são separadas por hífen (An-tão, A-na, An-dei, A-mar; Ben-to, Bri-tes, Bus-car, Ba-ter, etc. A sobrevivência desse livro até 1956, data desta 107a. edição, denota a sobrevivência desse modelo antigo de alfabetização.]


Cartilha Analítica. Arnaldo de Oliveira Barreto
63.e. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1955. [1a. edição 1909. O método analítico alfabetizava com palavras e sílabas, e se opunha ao antigo método, sintético, que ensinava as letras, o bê-a-bá.]


Nova Cartilha Analítico-Sintética. Mariano de Oliveira.
São Paulo: Melhoramentos, s.d. (1a. edição São Paulo: Weisflog & Irmãos [Melhoramentos], 1916). [Esta cartilha tentava conciliar dois métodos de alfabetização, o moderno e o antigo. De acordo com informações da editora Melhoramentos, foram produzidos 825.000 exemplares desde a primeira edição, de 1916, até a última, a 185a. edição de 1955.]

Cartilha Ensino Rápido de Leitura. Mariano de Oliveira. Ilustração de Gioconda Uliana Campos
196.e. São Paulo: Melhoramentos, 1955. [Publicada pela primeira vez em 1917, essa cartilha conheceu sucesso extraordinário, atingindo 2.230 edições em 1996 e mais de 6 milhões de exemplares vendidos. Conforme dados da editora Melhoramentos, até 1941 ela já havia vendido mais de 1 milhão de exemplares, mantendo a média de tiragem por ano acima dos 100.000 exemplares até 1969. A partir de 1970 a produção caiu drasticamente para 40.000 exemplares e chegou em 1996 com a tiragem de 1000 exemplares.]


10ª
Cartilha Infantilpelo Método Analítico. Prof. Carlos Alberto Gomes Cardim
9.e. São Paulo: Augusto Siqueira & C., 1919 [1a. edição 1908. Gomes Cardim formou-se na Escola Normal de São Paulo e foi seu diretor em 1925, quando criou a primeira biblioteca pública infantil do Brasil, para as crianças do curso primário.] Caderno e desenho (menino com o cão Fiel) datado de 1930, do Sr. Ernest Robert Mange, que estudou na Escola Modelo Caetano de Campos. O caderno e o desenho reproduzem uma lição da Cartilha Infantil.


11ª
Cartilha do Operário

Para o ensino da leitura, pela processuação do méthodo analítico, aos adolescentes e adultos. Theodoro de Moraes.
. Professor pela escola normal de S. Paulo. Coleção Caetano de Campos. Obra aprovada pela diretoria Geral do ensino de São Paulo. 2 e. São Paulo: Casa Siqueira - Salles Oliveira & Cia Ltda., 1924. [Cartilha pioneira dirigida a adultos]


12ª
Cartilha Proença. Antonio Firmino Proença. Ilustrações de Oswaldo Storni
11.e. a 15.e.São Paulo: Melhoramentos, s.d. [1a. edição 1926. Até a última edição (84ª) foram produzidos 145.000 exemplares.]


13ª
Cartilha do Povo. Para ensinar a ler rapidamente. Lourenço Filho
116.e. São Paulo: Melhoramentos, 1939. [Teve ampla adoção nas escolas.1a. edição, 1928 e última, a 2.204a. edição, 1994. Conforme dados da editora Melhoramentos, foram produzidos mais de 10 milhões de exemplares. Um fato curioso da Cartilha do Povo foi a omissão do nome de seu autor até a 115ª edição com o intuito de reforçar seu "caráter popular".]


14ª
Cartilha de Hygiene. Para Uzo das Escolas Primarias. Dr. A. de Almeida Júnior
10.e. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1928. [A 1a. edição é de 1922, publicada pela Monteiro Lobato & Cia. Editores. De 1928 a 1940 ela foi reeditada pela Compania Editora Nacional, a qual informou que foram produzidos 43.575 exemplares nesse período.]



15ª
Cartilha Fácil, Claudina de Barros
São Paulo: Tipografia Siqueira, s.d. [Há uma apresentação da cartilha por M. Moura Santos, datada de 11 de fevereiro de 1932, data provável da 1a. edição. A partir da 5a. edição, de 1935, a Cartilha Fácil passa a ser publicada pela Companhia Editora Nacional, atingindo nessa editora a tiragem de 332.105 exemplares até sua última edição, a 40a., de 1957.]


16ª
Na Roça. Cartilha rural para alfabetização rápida. Renato Sêneca Fleury
25 e. São Paulo: Melhoramentos, s.d. [Destinada ao público do interior e do meio rural, a cartilha Na Roça, 1a. edição 1935, teve 133 edições até 1958. Conforme dados da editora, foram produzidos 278.000 exemplares. A cartilha integrava uma série, com livros de leitura, publicados em 1936.] 



17ª
Cartilha de Higiene. Renato Kehl. Desenhos de Francisco Acquarone
Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1936. [Esta é a 1a. edição, de 1936. Abordagem lúdica dos cuidados com a higiene através da "Fada Hygia"


18ª
Brincar de Ler. Renato Sêneca Fleury. Ilustrações de Rita Blumer
São Paulo: Melhoramentos, 1939. [Formato e ilustrações inovadoras. A 1a. edição é de 1939 e a última, a 39a. edição é de 1978. Conforme dados da editora, ao todo foram produzidos 870.500 exemplares.] 


19ª
Cartilha Sodré. Benedicta Stahl Sodré
219.e. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1951. [Não foi possível localizar a editora que publicou as primeiras edições, cuja 1a. edição é de 1940. A partir da 46a. edição, de 1948, a Cartilha Sodré passou a ser publicada pela Companhia Editora Nacional. Conforme dados da editora, de 1948 até 1989, data da última edição, a 273a., foram produzidos 6.060.351 exemplares. Em 1977, ela foi remodelada por Isis Sodré Verganini. Além da alteração no formato da cartilha, foram acrescentadas mais de 30 páginas.] Diário de Lições. Delphina Spiteri Passos [Caderno do professor indicando como se deveria trabalhar em sala de aula com a Cartilha Sodré, lição da para.]


20ª
Caminho Suave(Alfabetização pela Imagem). Branca Alves de Lima
68.              e. São Paulo: Branca Alves de Lima, 1965. Aprovado pela Comissão Nacional do Livro didático (Pareceres no. 398 e 431 de 1948). [Essa cartilha, cuja 1a. edição é de 1948, parece ter sido um fenômeno de vendas no Brasil: calcula-se que todas edições, até a década de 1990, venderam 40 milhões de exemplares.] Há um exemplar de edição bem posterior, dos anos de 1980, quando a cartilha foi modificada e vários exercícios foram incluídos.

21ª
Caminho Suave: 1o. Livro (Leitura Intermediária). Branca Alves de Lima. Ilustrações executadas por Flavius.
Aprovado pela Comissão do Livro Didático do Departamento de Educação do Estado de São Paulo. São Paulo: Branca Alves de Lima, 1962. [O 1o. Livro de Leitura era usado, geralmente, a partir do segundo ano primário.]


22ª
Cartilha de Bitu. Aracy Hildebrand
48.e. Companhia Editora Nacional, 1960. [A 1a. edição é de 1954, publicada pela Companhia Editora Nacional, a qual informou que foram produzidos até a última edição, a 78a., de 1967, 716.525 exemplares.]


23ª
Onde Está o Patinho?Cecília Bueno dos Reis Amoroso. Ilustrações de Rosa Monzel e Oswaldo Storni
São Paulo: Melhoramentos, 1955. [Foi inicialmente publicada pela editora Melhoramentos, em 1955, permanecendo até a 14a. edição, de 1972, com um total de 741.000 exemplares produzidos. A partir de 1972 ela passou a ser editada pela editora Lotus e é quando aparecem também as co-autoras Arminda Bueno dos Reis Amoroso e Angela Maria Bueno dos Reis Amoroso, filhas de Cecília Amoroso e o Manual do Professor. A mudança de editora marca a alteração no formato e no conteúdo da cartilha, que aumentou de tamanho e recebeu muitos exercícios e atividades, aumentando também o número de páginas. Em 1979, na 17ª edição, a cartilha começou a ser publicada pela Editora Saraiva.


24ª
Onde está o Patinho Manual do Professor.
São Paulo: Lótus, 1972. [A partir de 1972 a cartilha passou a ser editada pela editora Lotus e é quando aparecem também as co-autoras Arminda Bueno dos Reis Amoroso e Angela Maria Bueno dos Reis Amoroso, filhas de Cecília Amoroso e o Manual do Professor.]


25ª
Upa, Cavalinho!Lourenço Filho, ilustrações de Oswaldo Storni
12.e. São Paulo: Melhoramentos, 1970. [A 1a. edição é de 1957, cuja tiragem foi de 1.000.000 de exemplares. Até 1970, data da última edição, a 12a., foram produzidos 2.070.000 exemplares. Há também um Guia do Mestre para a cartilha Upa, Cavalinho! São Paulo: Melhoramentos, 1956. [De 1956 a 1957 foram publicadas quatro edições desse guia, com a tiragem de 120.000 exemplares.]


26ª
No Reino da Alegria Doracy de Almeida. 

São Paulo: IBEP, s.d. [Publicada pelo IBEP - Instituto Brasileiro de Edições Pedagógicas em 1974, a cartilha No Reino da Alegria tem formato bem maior que suas antecessoras. A introdução de exercícios após cada lição e o uso dos quadrinhos e tiras nas ilustrações foram também inovações importantes.] 


Comentários
0 Comentários
Created By Sora Templates